Do meu #feriadonerd: terminei essa “novelinha” hoje: Northern Rescue.

Bonitinha, para quem gostava de dramas no estilo “Party of 5”, “Everwood” e “Brothers and Sisters”.

Um resumo:

Depois da morte repentina da mulher, John (William Baldwin) retorna à sua cidade natal na tentativa de reconstruir a sua vida e a relação com os seus três filhos adolescentes.

Antes de assistir, li uma crítica sobre o episódio piloto que dizia queNorthern Rescue tem uma qualidade familiar que rapidamente se entranha – o conceito não é exatamente novo, mas a série desperta o interesse”.

E é exatamente por aí. Não é ótima, mas é confortável, familiar, acolhe e agrada de um jeito suave.

A relação deste pai bem intencionado, mas que tem pouca experiência com o cotidiano dos filhos (três jovens muito diferentes e que processam a morte da mãe de formas muito peculiares) é comovente. A figura da tia Charlotte (Kathleen Robertson) humaniza as dificuldades, atuando como ponte entre o pai viúvo e os adolescentes, além de, para nós latinos, dar algum vínculo de família estendida que a gente estranha quando “não vê” nos dramas dos EUA.

E sobre os filhos: a melhor, para mim, foi justamente a atriz estreanteAmalia Williamson (Maddie) está bem como a protagonista. Spencer MacPherson (Scout, conhecido por seus papéis em “DeGrassi: Next Class” e “Reign“) e Taylor Thorne (na personagem que tem o mesmo nome, conhecida por um papel “Condor“) fecham o núcleo familiar dessa produção do Canadá, CBC e Netflix.

Um ponto que considerei bem positivo: os diálogos de uma das personagens com sua terapeuta são bons, pé no chão, favorecendo a autonomia. Gostei!

Anúncios