Ontem divulguei esta noticia, mas num link. Hoje trago num vídeo, facilitando a tradução (nas legendas do youtube) e colo também um resumo no estilo “google tradutor”.

Sara Jensen é uma professora de matemática que ensina matemática com agulhas de tricô e lã em vez de usar as tradicionais calculadoras e livros didáticos. A professora assistente de Matemática no Carthage College tem a missão de levar as pessoas a entenderem a matemática através do tricô e da observação de objetos da vida real.

Em textos (em inglês), ela explicou sua técnica, veja aqui.

Ela começou pedindo a um grupo de estudantes universitários para dizer a primeira palavra que vem à mente deles quando consideram a matemática. “Cálculo” e “equação” foram as principais respostas. Quando a mesma pergunta foi colocada para os matemáticos profissionais, eles responderam com “pensamento crítico” e “solução de problemas”.

“O que os matemáticos profissionais pensam como matemática é completamente diferente do que a população em geral considera matemática. Quando tantos descrevem a matemática como sinônimo de cálculo, não é de admirar que ouvimos “odeio matemática” com tanta frequência ”.

A aula de Matemática do Tricô começa com os alunos tricotando almofadas que demonstram um aspecto essencial da matemática, que é uma equivalência. Jensen disse que “fundamental para a matemática é a equação, e crucial para isso é o sinal de igualdade”. Ela deu um exemplo de x = 5. Matematicamente x tem o mesmo valor de 5, que é o número 5 e o valor de x deve ser o mesmo. Ela diz que na vida, as coisas nem sempre são claras e muitas vezes duas quantidades não são as mesmas, mas também são essencialmente as mesmas por alguns critérios.

Para mostrar isso, os alunos de sua classe tricotaram almofadas e os padrões que eles fizeram nos travesseiros mostraram equivalência. Outro tópico é chamado de ‘geometria de folha de borracha’, sugerindo que se imagine o mundo todo feito de folhas de borracha e transporte esta ideia para formas e topografia.

Se você acha que isso é difícil, então talvez você possa pensar nisso com um exemplo de tricô. Uma maneira de entender poder ser descobrir como se criam objetos redondos como gorros, luvas ou meias com agulhas de tricô. De triângulos unidos depois de prontos, surgem formas novas que lembram esferas, como o gorro. A geometria da folha de borracha propõe que um triângulo e um círculo podem ser os mesmos se forem feitos de um material flexível. Nesse campo, todos os polígonos podem assumir a forma de um círculo.

Os alunos da turma de ‘A Matemática do Tricô’ passaram o tempo para tricotar vários cachecóis e outros objetos redondos para brincar com essa teoria. Jensen diz que, usando essas ferramentas de ensino, ela pode abrir o mundo da matemática para um público enorme e pode ajudá-los a abraçar o pensamento matemático em sua vida diária.

Da série #professoresinspiradores #divulgaçãocientífica do A Vida Quer, acompanhe nas nossas redes sociais:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

O #rodrigohilbert fazendo crochê comoveu a nação e reforçou o título de #homaodaporra. Quero ver esse entusiasmo com os meninos! #abreaspas para o @diariocatarinense: “O professor Willian Goe, que dá aulas de percussão no Centro de Educação Integral (Cedin) Dilzelena Márcia Teixeira, no Bairro São Vicente, em Itajaí, teve a sensibilidade de registrar a concentração de um grupinho de alunos fazendo crochê na hora do recreio. A meninada aprende os trabalhos manuais na própria escola, e o crochê foi uma ideia da professora Fátima Demartin, para mostrar como materiais como o barbante podem ser reaproveitados. Os meninos gostaram tanto da experiência que até mesmo os que não estavam inscritos na oficina pediram para aprender. O resultado é esse: linhas e agulhas a todo vapor a cada intervalo das aulas.” #igualdade #boyscandoittoo #diversidade #terapia #croche #amoremcadaponto #educacao #agentenaoquersocomida #avidaquer @avidaquer por @samegui avidaquer.com.br

Uma publicação compartilhada por A Vida Quer (@avidaquer) em

//www.instagram.com/embed.js