Romances de verão não são exatamente uma novidade no cinema. O longa Sueño Florianópolis, o qual estreia na próxima quinta-feira, dia 15, nos cinemas brasileiros, não parece fugir muito deste padrão, mas apresenta uma trama um tanto inovadora ao colocar brasileiros e argentinos no mesmo enredo com tal temática.

Lucrecia, vivida por Mercedes Morán, e Pedro, Gustavo Garzón, constituem um casal argentino que está prestes a se divorciar após mais de 20 anos juntos. De modo não muito abordado pelo roteiro, os dois planejam uma viagem com seu dois filhos adolescentes para Florianópolis, onde viajaram anos antes. A intenção de ambos com a viagem deixa o espectador na dúvida: da mesma forma que possa parecer uma tentativa de reaproximação do casal, em busca de reviver o romance do passado, parece simultaneamente como uma “viagem de despedida”.

Após uma série de coincidências, a família argentina acaba reencontrando o casal brasileiro que conhecera na estrada, formado por Marco (Marco Ricca) e Larisa (Andrea Beltrão). O casal aluga casas em Florianópolis para turistas e não perde a oportunidade de hospedar os argentinos.

Previsivelmente, mostra-se a desintegração familiar dos portenhos, primeiro com o afastamento cada vez maior de Pedro e Lucrecia. A caçula acaba se envolvendo em um romance com César, filho de Marco, enquanto o primogênito viaja para uma cidade vizinha. Apesar dos constantes desentendimentos entre todos os familiares, são também frequentes os momentos em que se reúnem felizes para desfrutar da natureza brasileira.

 

O romance entre Lucrecia e Marco, insinuado desde o início do filme, ganha mais destaque com a ausência dos dois filhos da portenha, que se afastam para viajar. O mesmo ocorre com Pedro e Larisa, embora ambos protagonizem um romance com muito menos destaque ao longo da obra.

Desta forma, Marco e Lucrecia estrelam o romance protagonista de Sueño Florianópolis, Marco enquanto brasileiro acolhedor e extrovertido e Lucrecia, argentina e solitária, que se apaixona em um momento de melancolia.

A direção de Ana Katz, porém, não se pauta com profundidade na construção dos romances e opta por focar o filme em torno da personagem Lucrecia. Os demais personagens recebem a mesma atenção do público que a dada pela protagonista e acabam se tornando um tanto superficiais.

Como o próprio título já sugere, “Sueño Florianópolis” se trata de um anseio, desejo, um sonho, vivido ou não na cidade de Florianópolis. Os personagens muitas vezes deprimidos e apáticos contrastam com o ambiente de luz, natureza e alegria da capital de Santa Catarina. Trata-se de uma obra que busca explorar os pensamentos e ações da protagonista e sensibilizar o espectador, que pode se identificar com os sentimentos de solidão e melancolia por ela vividos. E no fim restam as dúvidas sobre o que pode ter acontecido aos personagens após os créditos.

Nota da Editora:

Já conhecia a diretora argentina Ana Katz do filme  “Mi amiga del Parque”, ganhador do Melhor Roteiro no Festival de Sundance, em 2017.

http://www.maecomfilhos.blog.br/2018/02/minha-amiga-do-parque.html

Formada pela Universidad del Cine de Buenos Aires, com experiências como roteirista, dramaturga e atriz, em 2013, seu projeto “Sueño Florianópolis” (seu quinto longa), foi vencedor do Edital de Coprodução Brasil-Argentina, promovido pela ANCINE e INCAA.