Hoje teve prova Saresp e os colegas do meu filho no Ensino Médio queriam boicotar o exame por questões políticas, seguindo um movimento de 2016. Pensei no quanto os secundaristas são valiosos no mundo para repensarmos o sistema.

Porque ainda vivem com os pais, esse grupo acaba sendo mais utópico e idealista do que os universitários.

Isso leva a equívocos? Claro! Mas também a várias chances de repensarmos nossas certezas!

Não tem como melhorar o mundo sem um mínimo de espírito reformista 🙂

Nesta linha, trago uma iniciativa que descobri:

Para dar voz e estimular o protagonismo e a participação social dos jovens na construção de políticas públicas que atendam seus interesses, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) lançou um jogo virtual que selecionará dez pessoas para compor o Comitê de Participação de Adolescentes do Conanda (CPA).

Os interessados podem se inscrever até 10 de dezembro.

Esta é a primeira vez que a entidade abre espaço para a participação dos adolescentes no conselho.

Podem participar do jogo virtual jovens entre 12 e 16 anos de todo país.

A disputa acontece em duas etapas:

  1. Na primeira, os candidatos devem lançar propostas com o tema Como seria o mundo se os adolescentes participassem e fossem ouvidos, e votar nas demais ideias. Os votos realizados e recebidos valerão pontos e os 40 melhores passarão de fase.
  2. Na sequência, esses 40 adolescentes criarão um vídeo para debater o tema da seleção e publicarão em suas redes sociais (YouTube, Instagram e Facebook). O perfil precisa ser público e usar hashtags a serem indicadas.

Na sequência:

  • Os trabalhos com mais curtidas positivas serão eleitos para o CPA, seguidos por mais dez participantes suplentes.
  • Os outros 20 candidatos formarão um grupo de comunicadores que poderão ser convidados para eventos e debates realizados pelo Conanda.

Conanda é um órgão colegiado de composição paritária integrado por 28 conselheiros titulares e 28 suplentes, sendo 14 representantes do poder executivo e 14 representantes de entidades não-governamentais que possuem atuação em âmbito nacional e na promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes.

O papel do MEC no conselho é, além de garantir os direitos educacionais desses jovens, propor e divulgar os programas e ações que a pasta produz para reforçar isso.

“A missão do MEC é garantir o acesso à educação e um dos maiores problemas que temos hoje na adolescência é a evasão escolar. É fundamental nossa participação nas políticas públicas de permanência, não do ponto de vista social, mas educacional. Podemos viabilizar, por exemplo, o desenvolvimento social dos adolescentes que estão em condições de vulnerabilidade.”

Veja aqui como participar do jogo virtual.

P.S. Sobre o Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo, Saresp: é a principal ferramenta de avaliação externa adotada pela Secretaria e mede o domínio e habilidades dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática. Em 2017, mais de 1 milhão de estudantes dos 3º, 5º, 7º, 9º anos do Ensino Fundamental e da 3ª série do Médio, em unidades de todas as regiões do Estado, participam do exame.

Anúncios