Se você também é manteiga derretida e não consegue segurar a emoção vendo vídeos, um alento: isso é bom sinal. 

Quando os personagens de um filme são bem representados, somos levados a nos colocar em sua pele, ver a realidade através de seus olhos. Todos, em variados níveis, buscamos a identificação no cinema. 


Estudos feitos utilizando neuroimagem funcional revelaram que o nosso cérebro quase se conecta com o personagem com quem nos identificamos, na medida em que ativamos as mesmas áreas do cérebro, relacionados ao que o personagem está fazendo, as mesmas áreas que ele está utilizando para executar as tarefas.

Esse recurso também permite compreender sua situação e seu ponto de vista, bem como experimentar os mesmos estados emocionais. 

Obviamente, a empatia está intimamente ligada à maneira como nosso cérebro está estruturado, especialmente com os neurônios-espelho, que são os principais responsáveis ​​no ato de nos colocar no lugar dos outros.

Por outro lado, quando vemos filmes com um alto conteúdo emocional, nosso cérebro também libera ocitocina, um neurotransmissor poderoso que nos ajuda a conectar com os outros e nos permite ser mais compreensivos, amáveis, confiáveis e desinteressados. 

Então que saibamos todos viver num mundo onde a empatia verdadeira cresça a cada dia.