Acumulativo = Coleciona-Dor.

Será tudo parte do mesmo processo?

Outro dia eu conversava com uma pessoa sobre a “fome emocional”, aquela que faz a gente precisar de compensações na forma de gulodices para aguentar os trancos da vida.

Acumulativo = Coleciona-Dor. Será tudo parte do mesmo processo?
📷 @marleiderochapsicologia

E nesta imagem eu pensei no livro da Marie Kondo, a japonesa rainha da arrumação, que tem um título inspirador: “Isso me traz alegria”.

Foi minha leitura e terapia material em 2016 e mudou o que faltava em mim. Filha de acumuladores, eu fujo desse comportamento com a mesma facilidade com que recaio nele, pois é uma prática “grudenta”, difícil de largar. Mas totalmente desnecessária!

voce-e-escravo-de-tudo-aquilo-que-nao-e-capaz-de-abrir-mao

Bora jogar as tralhas fora? 

os dois livros da Marie Kondo. Eles tratam menos de um sistema de organização (mas tem um modelo bom e útil) e mais da alma humana. Recomendo, especialmente

E para quem é da turma dos livros, tem certo preconceito com autoajuda ou (quem sabe) é fã do estilo, fica a dica: os dois livros da Marie Kondo. Eles tratam menos de um sistema de organização (mas tem um modelo bom e útil) e mais da alma humana.

Recomendo, especialmente “Isso me traz alegria”.

Saiba mais:

“A mágica da arrumação se tornou um fenômeno mundial por apresentar uma abordagem inovadora para acabar de vez com a bagunça. Aos 30 anos, a japonesa Marie Kondo virou celebridade internacional, uma espécie de guru quando o assunto é organização. Seu método é simples, porém transformador. Em vez de basear-se em critérios vagos, como “jogue fora tudo o que você não usa há um ano”, ele é fundamentado no sentimento da pessoa por cada objeto que possui. O ponto principal da técnica é o descarte. Para decidir o que manter e o que jogar fora, você deve segurar os itens um a um e perguntar a si mesmo: “Isso me traz alegria?” Você só deve continuar com algo se a resposta for “sim”. Pode soar estranho no começo, mas, acredite, é libertador. Você vai descobrir que grande parte da bagunça em sua casa é composta por coisas dispensáveis. Prático e eficiente, este método não vai transformar apenas sua casa – ele vai mudar você. Rodeado apenas do que ama, você se tornará mais feliz e motivado a criar o estilo de vida com que sempre sonhou.”

Estou sendo higienista? Defendendo a arrumação, estou dizendo que a vida precisa de extrema limpeza, ordem e todas as coisas chatas?

Não!

Para me explicar, trago um filósofo:

Neste vídeo, Mário Sérgio Cortella fala a respeito da alegria gerada pelo convívio e agitação das pessoas a nossa volta. E que as vezes uma casa arrumada é uma casa infeliz. 

 

 

P.S. O hábito de acumular coisas é uma doença. Já falamos sobre o tema aqui no blog.

Anúncios