"O ideal é fazer uma lista pequena, com apenas três metas para o ano todo. Do contrário, a chance da pessoa não conseguir alcançar o objetivo será grande e isso certamente a frustrará. Quanto maior a quantidade de metas a alcançar, menor o foco e a possibilidade de concretização."

O ano nem acabou, mas há algumas semanas eu estou fazendo um Planejamento Anual.

Sim, ao invés de me encher de metas e de me desesperar que o ano passou, eu faço um follow up do que consegui fazer, revejo metas (jogo fora muitas ideias que pareciam ótimas um ano antes e descubro como o ano me mudou) e refaço sonhos.

Para me forçar a realizar, eu gosto de ter parceiros. Então o que tenho feito é convidar pessoas com quem eu gostaria de realizar coisas no próximo ano e juntos nós pensamos no que podemos fazer a curto, médio e longo prazo.

Desde uma nova área de atuação no trabalho até o condicionamento físico (as caminhadas matinais, por exemplo) eu tento achar boas parcerias que me darão ânimo quando o cansaço do novo ano começar a me pesar e reduzir o ritmo.

🙂

Mesmo quem não faz essa planejamento ainda, costuma pensar no ano de um jeito diferente a partir de dezembro, né?

Fim de ano é um momento em que as pessoas aproveitam para fazer planos e traçar metas para o ano seguinte. Emagrecer, gastar menos dinheiro, ter mais tempo para a família, trabalhar menos, trabalhar mais, investir na carreira ou conseguir um emprego melhor. Esses são alguns dos exemplos mais comuns das promessas feitas. O grande problema é que poucos realmente cumprem aquilo que pretendiam na hora da virada. Muitas vezes isso acontece porque as metas são esquecidas ou porque as pessoas não sabem por onde começar a agir.

A assessoria de Christian Barbosa, especialista em gestão de tempo e produtividade, me mandou uma sugestão de pauta com o vídeo dele sobre planejamento de Ano Novo e dar dicas de como transformar as resoluções em realidade e achei pertinente para ilustrar este meu movimento.

As dicas dele são legais e vale dar um play no vídeo:

 

Cinco etapas do planejamento anual:

  1. O que é importante para mim neste próximo ciclo? Aqui vale definir também o tamanho do ciclo. São 3 meses, 1 semestre? Cada um tem um tempo diferente e, mais importante, cada ano de vida tem um ritmo.
  2. O que quero para minha vida particular? Que livros eu lerei para alimentar meu eu interior? Ter metas de boas leituras ajuda a ter novas ideias e começar uma revolução interna. Aqui no blog tem várias dicas de livros, veja aqui.
  3. Escreva o que você pensa que quer. Faça post-its e cole na parede, isso ajuda a tirar, colocar, reposicionar. Caso você se coloque diante de alternativas diferentes – estudo inglês ou aprendo a costurar? – coloque também a “bifurcação” dos caminhos, te ajudará a encontrar o item 4.
  4. Procure reunir nas metas “resultado e equilíbrio”. O que eu conseguirei mesmo fazer? Essas ideias cabem num único ciclo (ano, semestre, trimestre)?
  5. Lembre que realizar faz bem à saúde. Concretizar pequenas coisas é mais valioso do que se encher de planos imensos e se frustrar o ano todo.

Como disse Christian no vídeo,

“O ideal é fazer uma lista pequena, com apenas três metas para o ano todo. Do contrário, a chance da pessoa não conseguir alcançar o objetivo será grande e isso certamente a frustrará. Quanto maior a quantidade de metas a alcançar, menor o foco e a possibilidade de concretização.”

E, mais importante: não siga as metas que o mercado de trabalho, os parentes, a mídia, as celebridades, enfim, os outros dizem que é bom!

"O ideal é fazer uma lista pequena, com apenas três metas para o ano todo. Do contrário, a chance da pessoa não conseguir alcançar o objetivo será grande e isso certamente a frustrará. Quanto maior a quantidade de metas a alcançar, menor o foco e a possibilidade de concretização."